CNPE APPROVES GUIDELINES FOR ROUND OF PETROLEUM AUCTION

Credit: MME

The Ministry of Mines and Energy (MME) held this Wednesday (14/12) the 33rd Meeting of the National Energy Policy Council (CNPE). The meeting was chaired by Minister Fernando Coelho Filho and was attended by the Minister of Planning, Budget and Management, Dyogo Oliveira.

Representatives of the member ministries participated in the meeting. This was the first meeting with the participation of the new members of CNPE, as representatives of civil society and Brazilian university, respectively, Plínio Nastari and Ivan Camargo.

At the opening of the meeting, the minister took stock of the actions of the MME under his management and wished to welcome the new members. “Despite so much turmoil that the country is living, the MME, together with the Planning, Civil House, and Finance, which are the Ministries we dialogue the most, have we achieved a series of very positive actions in the first seven and eight months? said the minister.

Among the main deliberations of the collegiate body and the definitions of today’s meeting are the approval of issues related to next year’s oil rounds; definition of guidelines for the natural gas sector; definition of the minimum price of the barrel of oil for purposes of calculation of royalties; and on computational models of the electric sector.

One of the highlights was the inclusion of ten blocks of ultra-deep water in the 14th. Round, located in the northern portion of the Campos Basin, with high potential. The ANP will publish the maps for this round. The rules were also released when unitization and local content.

During the CNPE, members also discussed the recent revisions in the projections for growth of electricity demand for 2017. In view of the current scenario, it was decided that the 2nd Reserve Energy Auction of 2016, scheduled to be held next Monday, (19/12), will be canceled.

At the end of the meeting, the MME executive secretary, Paulo Pedrosa, and the secretary of Petroleum, Natural Gas and Renewable Fuels, Márcio Félix, explained the main points of the meeting to the press. Pedrosa stressed that it was a very intense meeting, with great advances for the sector.

Check below the main points deliberated in the CNPE, that object of resolution or referral by the collegiate:

Guidelines for production individualization agreements involving non-contracted areas

The CNPE approved a Resolution that establishes guidelines for procedures for individualization of production in situations where oil and natural gas deposits extend to non-contracted areas.

The main rules approved were:

· The CNPE will decide the contracting of the non-contracted areas internal to the polygon of the pre-salt. The general rule in such cases will be the execution of bids and in case of non-hiring, a simplified procedure will be carried out.

· In areas outside the polygon of the pre-salt, the ANP is authorized to tender these areas.

· Regarding the local content rules in the non-contracted areas, the same percentage will be applied in the area under the adjacent agreement.

· Until there is hiring, the operator of the individualized area will be the operator of the area under the adjacent contract.

The individualization of production of oil, natural gas and other fluid hydrocarbons is a globally adopted and effective legal institute to prevent the predatory production of petroleum deposits that extend beyond the area granted.

The establishment of criteria for procedures for the individualization of production (unitization), in the case of deposits that extend to non-contracted areas (from blocks already granted, assigned onerous or under the production sharing regime), is necessary for the continuity of exploration and production activities in many of these areas, unlocking a series of investments that are virtually paralyzed today.

These guidelines will allow new investments for the sector, with the consequent increase in production and government revenues.

Strategic guidelines for the Natural Gas sector

The National Council for Energy Policy (CNPE) approved in a meeting held on Wednesday (December 14, 2016) the Resolution establishing the guidelines for the design of a new natural gas market, as well as establishing the Technical Committee for the Development of the Natural Gas Industry, within the framework of the Gas for Growth initiative.

The Resolution submitted to CNPE is the result of the analysis of the contributions received during the public consultation process. The premises and strategic guidelines for the natural gas sector were defined, such as the adoption of good international practices; investment attraction; diversity of agents; greater dynamism and access to information; and respect for contracts.

Among the strategic guidelines are the promotion of greater transparency and reduction of transaction costs; stimulation of competition and the formation of short-term and secondary markets; strengthening the separation of potentially competitive activities; non-discriminatory third-party access to pipelines, UPGNs and Terminas de Regas; improvement of the tax structure of the natural gas sector in Brazil; harmonization of state and federal regulations; integration between the natural gas and electric power sectors.

The Technical Committee for the Development of the Natural Gas Industry (CT-GN) was also created for a gradual, safe and rapid transition, with a deadline of 120 days to present a proposal for measures to be submitted to the National Congress to improve the legal framework of natural gas.

The Committee will be composed of representatives of the various organs of the Federal Government and associations and agents of the natural gas industry, civil society and the Brazilian university.

The Gas for Growth initiative was launched by the Minister of Mines and Energy, Fernando Coelho Filho, on June 24, 2016, based on the observation of the current natural gas sector, especially regarding the reduction of Petroleum’s share Brasileiro SA (Petrobras) and the consequent entry of new private agents, at the same time that presents itself as a great investment opportunity.

4th Round of Areas with O & G Marginal Accumulations

The CNPE approved the mandatory Local Content non-enforceability for the 4th Round of areas with marginal accumulations of oil and natural gas. Considering the profile of companies operating in the areas of marginal accumulation (national and small and medium-sized), as well as the amount of investments required for the operation in these areas of marginal economics, much lower than those of other onshore areas, considers the requirements of local content for these actors and for the supply chain that serves this segment, in the same way as those for other concession agreements, are disproportionate.

Because they are marginal fields, the local content in these activities is already quite high, and local content requirements (such as certifications and percentage calculation processes) would make it difficult to explore these fields.

Round 14 of Exploratory Block Tenders

CNPE approved a Resolution authorizing the ANP to hold the 14th Round of Bids for the exploration and production of oil and natural gas in accordance with the rules of Law 9,478 of 1997, in the concession modality. For this event, 291 exploratory blocks were selected, distributed in 29 sectors, of 9 sedimentary basins, located in areas of interest in the states of Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina and Rio Grande do Sul.

It was approved the inclusion of 10 blocks of ultra-deep waters, located in the northern portion of the Campos Basin, with high potential. The ANP will publish the maps for this round.

The pre-bid and the draft contract should be published in early 2017, aiming at the realization of the offers in the third quarter of the same year. It is estimated that the areas that may be completed in this Round may in the first instance contribute to the generation of jobs and income for the local populations and, in case of discovery of commercial petroleum resources, there will also be the benefit to the federated entities with the collection of governmental participation, taxes and increase of the energy security of the Country.

The Local Content for this Round will be set in January 2017.

Extension of the Operation Phase of the offshore blocks of the 11th Round of Bids

CNPE approved Resolution with recommendation to the ANP to prioritize the analysis of the requests for extension of the Exploration Phase of the exploration and production contracts of blocks located in the sea of ​​the 11th Round of Bids in force in the Country, aiming to guarantee the fulfillment of contracted activities, even if with delay of term. Such a measure will allow society not to be deprived of investment in order to increase the geological knowledge of the Brazilian sedimentary basins, which are fundamental for the discovery of petroleum resources.

2nd Production Sharing Round

The CNPE authorized the 2nd Round of Bids under the Production Sharing regime, which is expected to occur in the third quarter of 2017. The Round will be composed of four areas with unitizable deposits involving areas not contracted to the Union in the region of Pre -sal, in the Campos and Santos basins. The areas mentioned are related to the discoveries called Cat do Mato and Carcará, and the fields of Green Turtle and Sapinhoá.

This event has great importance in relation to the continuity of investments in the development of oil and natural gas production from these areas. In addition, it should be mentioned that the contracts in the areas of Cat do Mato and Carcará meet with their exploration and production contracts suspended by the ANP, awaiting the definition of the actions necessary for the evaluation of the part not yet contracted.

According to Unitization guidelines, the same percentage of local content applicable in the area under the adjacent agreement will be applied.

Guidelines for the Marketing of Oil and Natural Gas in Union in Production Sharing Contracts

The National Council of Energy Policy (CNPE) approved in a meeting held on December 14, 2016 the Resolution that establishes the policy of commercialization of the oil and natural gas of the Union.

The Resolution assessed by CNPE contemplates a marketing policy with general and transitional guidelines, valid for up to 36 months, which will allow the Union to commercialize the hydrocarbons it is entitled to, while at the same time acquiring the fundamental experience for the long-term model that will take into account not only operational but also strategic issues for the national interest.

The Resolution defines the general marketing guidelines, such as maximizing the economic result; the priority to the national supply in the case of Natural Gas; the marketing will be preferably in combined loads; and will seek to minimize the risks of the Union.

The resolution also stipulates that the deposit of revenues will be made to the single account of the National Treasury and defines the rights and obligations of PPSA, with mechanisms of accountability of the activity.

It was also defined that, whenever possible, short-term auctions for the sale of natural gas in the domestic market by the marketing agent to be contracted by PPSA.

The establishment of the policy will enable the commercialization of oil and natural gas destined for the Union, whose revenues from this activity have already been considered in the Budget of the Union in the order of R $ 800 million (estimated collection in 2017, already considering amounts receivable relative to the years 2015 and 2016), considering the expectation of hydrocarbon production in the Libra prospectus and in the unitizable areas in the third half of 2017.

Definition on minimum price

The CNPE discussed the issue of the minimum price of a barrel of oil for purposes of calculating royalties. The studies presented by the ANP, arising from the public hearing, are being analyzed by the MME and will be compared with studies on the competitiveness of Brazil in the international scenario of this sector. After this step, guidelines will be defined that value the market price and preserve the minimum price as a parameter to the transactions in the same economic group, establishing advance and periodicity for the rule revisions and transition to its implementation.

In addition, the ANP, which has the technical and regulatory responsibility for establishing minimum prices, should ensure that all characteristics related to national oils are considered.

Social Media Advisory
Ministry of Mines and Energy

Acesso Restrito

Acesso mediante utilização de usuário e senha

Conheça as categorias de associados e filie-se

CNPE APROVA DIRETRIZES PARA RODADAS DE LEILÃO DE PETRÓLEO

Crédito: MME

O Ministério de Minas e Energia (MME) realizou nesta quarta-feira (14/12) a 33ª Reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). O encontro foi presidido pelo Ministro Fernando Coelho Filho e contou com a presença do ministro de Planejamento, Orçamento e Gestão, Dyogo Oliveira.

Representantes dos ministérios integrantes do colegiado participaram da reunião. Esta foi a primeira reunião com a participação dos novos integrantes do CNPE, como representantes da sociedade civil e de universidade brasileira, respectivamente, Plínio Nastari e Ivan Camargo.

Na abertura da reunião, o ministro fez um balanço sobre as ações do MME sob sua gestão e desejou boas-vindas aos novos integrantes. ?Apesar de tanta turbulência que o país está vivendo, o MME, junto com o Planejamento, Casa Civil, e Fazenda, que são os Ministérios que dialogamos mais, conseguimos uma série de ações de pautas bastante positivas nesses primeiros sete e oito meses?, destacou o ministro.

Entre as principais deliberações do colegiado e definições da reunião de hoje estão a aprovação em questões referentes às rodadas de petróleo do ano que vem; definição de diretrizes para o setor de gás natural; definição de preço mínimo do barril de petróleo para fins de apuração de royalties; e sobre modelos computacionais do setor elétrico.

Um dos destaques foi a inclusão de dez blocos de águas ultra-profundas na 14ª. Rodada, localizados na porção norte da Bacia de Campos, com elevado potencial. A ANP publicará os mapas relativos a essa rodada. Também foram divulgadas as regras quando à unitização e de conteúdo local.

Durante o CNPE, os membros debateram ainda as recentes revisões nas projeções de crescimento da demanda de energia elétrica para 2017. Diante do cenário atual exposto, foi decidido que o 2º Leilão de Energia de Reserva de 2016, previsto para ser realizado na próxima segunda-feira (19/12), será cancelado.

Ao final da reunião, o secretário-executivo do MME, Paulo Pedrosa, e o secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis, Márcio Félix, explicaram os principais pontos da reunião à imprensa. Pedrosa destacou que foi uma reunião muito intensa, com grandes avanços para o setor.

Confira abaixo os principais pontos deliberados no CNPE, que objeto de resolução ou encaminhamento pelo colegiado:

Diretrizes para acordos de individualização da produção envolvendo áreas não contratadas

O CNPE aprovou Resolução que estabelece diretrizes para os procedimentos de individualização da produção em situações onde as jazidas de petróleo e gás natural se estendam para áreas não contratadas.

As principais regras aprovadas foram:

· O CNPE decidirá a contratação das áreas não contratadas internas ao polígono do pré-sal. A regra geral nesses casos será a realização de licitações e em caso de não contratação, será realizado procedimento simplificado.

· Nas áreas externas ao polígono do pré-sal, a ANP fica autorizada a licitar essas áreas.

· Quanto às regras de conteúdo local nas áreas não contratadas, será aplicado o mesmo percentual aplicável na área sob contrato adjacente.

· Enquanto não houver a contratação, o operador da área individualizada será o operador da área sob o contrato adjacente.

A individualização da produção de petróleo, de gás natural e de outros hidrocarbonetos fluidos é um instituto jurídico mundialmente adotado e eficaz para evitar a produção predatória de jazidas petrolíferas que se estendam além da área outorgada.

O estabelecimento de critérios para os procedimentos de individualização da produção (unitização), nos casos de jazidas que se estendam para áreas não contratadas (a partir de blocos já concedidos, cedidos onerosamente ou sob o regime de partilha de produção), é necessário para a continuidade das atividades de exploração e produção em muitas dessas áreas, destravando uma série de investimentos que se encontram praticamente paralisados atualmente.

Essa diretrizes viabilizarão novos investimentos para o setor, com o consequente aumento da produção e das receitas governamentais.

Diretrizes estratégicas para o setor de Gás Natural

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou, em reunião realizada nesta quarta-feira (14 de dezembro de 2016), a Resolução que estabelece as diretrizes para o desenho de novo mercado de gás natural, bem como cria o Comitê Técnico para o Desenvolvimento da Indústria do Gás Natural, no âmbito da iniciativa Gás para Crescer.

A Resolução submetida ao CNPE é resultado da análise das contribuições recebidas durante o processo de consulta pública. Ficaram definidas as premissas e diretrizes estratégicas para o setor de gás natural, tais como adoção de boas práticas internacionais; atração de investimentos; diversidade de agentes; maior dinamismo e acesso à informação; e respeito a contratos.

Dentre as diretrizes estratégicas, estão a promoção de maior transparência e da redução dos custos de transação; estímulo à concorrência e à formação de mercado de curto prazo e secundários; reforço da separação entre as atividades potencialmente concorrenciais; acesso não discriminatório de terceiros aos gasodutos de escoamento, UPGNs e Terminais de Regas; aperfeiçoamento da estrutura tributária do setor de gás natural no Brasil; harmonização entre as regulações estaduais e federal; promoção da integração entre os setores de gás natural e energia elétrica.

Também fica criado o Comitê Técnico para o Desenvolvimento da Indústria do Gás Natural (CT-GN), para transição gradual, segura e célere, com prazo de 120 dias para apresentar proposta de medidas a ser encaminhada ao Congresso Nacional para aprimorar o marco legal do gás natural.

O Comitê será composto por representantes dos diversos órgãos do Governo Federal e de associações e agentes da indústria do gás natural, da sociedade civil e da universidade brasileira.

A iniciativa Gás para Crescer foi lançada pelo Ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, em 24 de junho de 2016, a partir da observação da atual conjuntura do setor de gás natural, em especial no que diz respeito à redução da participação da Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras) e o consequente ingresso de novos agentes privados, ao mesmo tempo em que se apresenta como uma grande oportunidade de investimento.

4ª Rodada de Áreas com Acumulações Marginais de O&G

O CNPE aprovou a inexigibilidade de Conteúdo Local obrigatório para a 4ª Rodada de áreas com acumulações marginais de petróleo e gás natural. Considerando-se o perfil de empresas atuantes nas áreas de acumulações marginais (nacionais e de pequeno e médio porte), bem como o montante de investimentos requeridos para a operação nessas áreas de economicidade marginal, muitíssimo mais baixo que aqueles de outras áreas onshore, considera-se que sejam desproporcionais as exigências de conteúdo local para esses atores e para a cadeia de fornecimento que atende a esse segmento, nos moldes daqueles praticados para os demais contratos de concessão.

Por se tratarem de campos marginais, o conteúdo local nessas atividades já é bastante elevado, e exigências de conteúdo local (como certificações e processos de apurações do percentual) dificultariam a viabilidade de exploração desses campos.

14ª Rodada de Licitações de Blocos Exploratórios

O CNPE aprovou Resolução que autoriza a ANP a realizar a 14ª Rodada de Licitações de blocos para a exploração e produção de petróleo e gás natural segundo as regras da Lei nº 9.478, de 1997, na modalidade concessão. Para esse certame foram selecionados 291 blocos exploratórios, distribuídos em 29 setores, de 9 bacias sedimentares, localizadas em áreas de interesse dos estados do Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Foi aprovada a inclusão de 10 blocos de águas ultra-profundas, localizados na porção norte da Bacia de Campos, com elevado potencial. A ANP publicará os mapas relativos a essa rodada.

O pré-edital e a minuta de contrato deverão ser publicados no início de 2017, visando à realização das ofertas no terceiro trimestre do mesmo ano. Estima-se que as áreas que venham a ser arrematadas nessa Rodada poderão no primeiro momento contribuir para a geração de emprego e renda para as populações locais e, no caso de descoberta de recursos petrolíferos comerciais, haverá ainda o benefício aos entes federados com a arrecadação de participações governamentais, tributos e aumento da segurança energética do País.

O Conteúdo Local para essa Rodada será definido em janeiro de 2017.

Prorrogação da Fase de Exploração dos blocos offshore da 11ª Rodada de Licitações

O CNPE aprovou Resolução com recomendação à ANP para priorizar a análise das solicitações de prorrogação da Fase de Exploração dos contratos de exploração e produção de blocos localizados em mar da 11ª Rodada de Licitações vigentes no País, visando garantir o cumprimento das atividades contratadas, mesmo que com dilação de prazo. Tal medida permitirá que a sociedade não fique privada da realização de investimentos em prol do aumento do conhecimento geológico das bacias sedimentares brasileiras, que são fundamentais para a descoberta dos recursos petrolíferos.

2ª Rodada de Partilha de Produção

O CNPE autorizou a realização da 2ª Rodada de Licitações sob o regime de Partilha de Produção, que está prevista para ocorrer no terceiro trimestre de 2017. A Rodada será composta por quatro áreas com jazidas unitizáveis envolvendo áreas não contratadas à União, na região do Pré-sal, nas bacias de Campos e Santos. As áreas citadas são relativas às descobertas denominadas por Gato do Mato e Carcará, e os campos de Tartaruga Verde e Sapinhoá.

Esse certame tem grande importância em relação à continuidade dos investimentos no desenvolvimento da produção de petróleo e gás natural a partir dessas áreas. Ademais, cabe mencionar que os contratos das áreas de Gato do Mato e Carcará encontram-se com seus contratos de exploração e produção suspensos pela ANP, aguardando a definição das ações necessárias para a avaliação da parte ainda não contratada.

Conforme diretrizes da Unitização, será aplicado o mesmo percentual de conteúdo local aplicável na área sob contrato adjacente.

Diretrizes para a comercialização do óleo e gás natural da União nos Contratos de Partilha da Produção

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou em reunião realizada no dia 14 de dezembro de 2016 a Resolução que estabelece a política de comercialização do óleo e gás natural da União.

A Resolução apreciada pelo CNPE contempla uma política de comercialização com diretrizes gerais e de caráter transitório, com vigência de até 36 meses, que permitirá à União a comercialização dos hidrocarbonetos aos quais faz jus, ao mesmo tempo em que seja adquirida a experiência fundamental para a construção de um modelo de longo prazo, que levará em conta não só as questões operacionais como também estratégicas para o interesse nacional.

A Resolução define as diretrizes gerais da comercialização, como a maximização do resultado econômico; a prioridade ao abastecimento nacional no caso do Gás Natural; a comercialização será preferencialmente em cargas combinadas; e será buscada a minimização dos riscos da União.

A resolução também define que os depósitos das receitas serão feitos à conta única do Tesouro Nacional e define os direitos e obrigações da PPSA, com mecanismos de prestação de contas da atividade.

Ainda foi definido que sejam realizados, sempre que possível, leilões de curto prazo para a venda do gás natural no mercado nacional pelo agente comercializador, a ser contratado pela PPSA.

O estabelecimento da política viabilizará a atividade de comercialização do petróleo e do gás natural destinados à União, cujas receitas advindas dessa atividade já foram consideradas no Orçamento da União na ordem de R$ 800 milhões (arrecadação estimada em 2017, já considerando valores a receber relativos aos anos de 2015 e 2016), considerando-se a expectativa de produção de hidrocarbonetos no prospecto de Libra e nas áreas unitizáveis no terceiro semestre de 2017.

Definição sobre preço mínimo

O CNPE debateu a questão do preço mínimo do barril de petróleo, para fins de apuração de royalties. Os estudos apresentados pela ANP, decorrentes da audiência pública, estão sendo analisados pelo MME e serão cotejados com estudos sobre a competitividade do Brasil no cenário internacional desse setor. Após essa etapa, serão definidas diretrizes que valorizem o preço de mercado e preservem o preço mínimo como parâmetro às transações no mesmo grupo econômico, estabelecendo antecedência e periodicidade para as revisões de regras e transição para sua implementação.

Além disso, a ANP, que tem a responsabilidade técnico-regulatória para estabelecimento de preço mínimo, deverá assegurar que todas as características ligadas aos óleos nacionais sejam consideradas.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério de Minas e Energia

Acesso Restrito

Acesso mediante utilização de usuário e senha

Conheça as categorias de associados e filie-se